domingo, outubro 29, 2006

a vida de novo


(esta é a musica que me acompanhará sempre, por todas as razões e por nenhuma razão em particular)

Adoro esta altura do ano em que acabou a agitação do Verão cheio de praia, mar, piscina e sol em demasia e somos surpreendidos pela chuva torrencial e pelo frio que nos fazem pensar no que devemos vestir e calçar nos dias cinzentos e complicados que se vão avizinhar com o Inverno.

E depois, de repente, acordamos e a chuva passou. O Sol aquece os corpos húmidos e inflamados de vida e os cheiros emanam de todo o lado. Transpirações húmidas de sensações fortes e quentes, que nos agitam as mentes e nos fazem sentir tudo mais intensamente.

A vida aparece de novo, mas mais rica na sua totalidade: os rios que correm mais depressa mas que cheiram a terra, a plantas e a chuva; os pássaros que nasceram ainda ontem e agora estão crescidos e exuberantes na sua plumagem delicada; as árvores que deixam cair as folhas a seus pés para que estas possam continuar a prepétuar a vida através das suas raízes (uma cama quente e húmida, onde a vida fervilha e nos faz sorrir perante a surpresa); os frutos doces e melosos, reconfortam o nosso calor cá dentro; os cheiros das pipas e do primeiro vinho... tudo tão maduro, tão mais apetitoso... o mar tão lindo outra vez...

Nesta altura do ano sinto-me repleta de energia e sensações de maturidade e de crescimento interiores. Sinto que a minha Primavera deu frutos que agora estão maduros e apetece-me mimá-los, fazer-lhes um ninho quente e bonito, todo cheio de pequeninas coisas, pequeninos gestos, delicadas folhas e flores ali mesmo, ao lado daquele riacho tão sereno, onde as águas cintilam e o sol espreita por entre as folhagens. E penso que talvez assim o meu Inverno seja mais fácil de suportar.

Talvez tu gostasses de fazer comigo esse ninho e os dois pudessemos ficar ali, a rir e a brincar, como dois tontos...

3 comentários:

lil disse...

não poderia ter escrevinhado melhor :)
nestes dias em que a nossa memória nos reporta a momentos que queremos ver de novo ver como nosso presente, lembra-nos esse infindável rol de corridas que que crescem em espirais de compreensão e nos fazem juntar os ladrilhos do vislumbre sensorial. é nestes dias que devemos fazer correr os cenários que queremos. a vida é feita do presente.

CosmaShiva disse...

Japonesa és um " Doce " de pessoa ...

As palavras parece que " fluiêm " ,e através delas deixas transparecer tanto sentimento e talvez , o que tu Ès :-)

Concordo contigo , acerca de toda a agitação caracteristica do Verão ... mas com a chegada do Outono , sinto-me particularmente mais triste e nostálgica ...
Pra mim é uma altura onde quase sempre dou comigo a fazer uma retrospecção da minha Vida , mas também é tempo de Sonhar e como tu dizes " colher os frutos maduros da Primavera e mimá-los ... "

Quanto á música ... È linda nina:-)*

um_2 disse...

nesa, quão ser humano, quão mulher és.
quando parece que atingiste o limite... eis que te superas e nos surpreendes.
parabéns :-)