segunda-feira, junho 18, 2007

Post mais ou menos inutil e sem conteudo.

Pois bem, estava eu a relaxar os musculos antes de ir para a cama e deixar que Morfeu me tome nos seus braços, acompanhado por uma musica qualquer que não interessa ao caso, um John Player Special (nem imaginam o quão dificil é encontrar os meus queridos Davidoff's no alto alentejo profundo) e o meu nectar de 12 frutos multivitaminado do Lidl (eu avisei no titulo, portanto não me culpem), quando resolvi abrir o nosso querido e aconchegador cantinho ('tou a pensar nos braços de alguém, desculpem lá os adjectivos), quando me deparo com o meu nome num texto bastante erudito escrito pela Nesa, o qual pensei comentar. Claro que depois me lembrei que não fazia a minima ideia daquilo que havia comentado que ela referia, e ao verificar o meu próprio comentário, esqueci-me do que ia escrever no novo.
Portanto, devido ao cansaço, à falta de vontade de escrever algo coerente e à falta de sono, resolvi vir para aqui divagar sobre assunto nenhum, apenas para me entreter até que o sono chegue. Claro que cheguei á conclusão que não tinha assunto, portanto resolvi agora pegar no post da Nesa e dar a minha experiente e inutil opinião (mas já dizia a Cookie num post do seu blog: "Não há opiniões estupidas, há estupidos que opinam", e como não me considero ainda totalmente estupido, resolvi dar a minha).
Ora onde ia eu antes dos parentesis? AH! Sexo. Já pensaram (não? Porque não?) que talvez se dê demasiada importancia a algo que não passa de uma das necessidades basicas do ser humano (e perdoem a linguagem que se segue) como comer ou cagar? Talvez seja apenas eu a pensar assim, eu que nasci de uma relação que não se baseava em amor, mas em qualquer outra coisa que nunca cheguei a perceber (achavam mesmo que só eu era louco na familia? nah, é hereditário), que o sexo é algo tão simples, mas ao mesmo tempo tão belo, tão genuino, tão independente de tudo o que o rodeia, que não precisa de todas estas discuções à sua volta? Quem já amou que me acene com a cabeça silenciosamente neste ponto.
Quem já fez sexo com amor que acene agora.
Quem já fez sexo sem amor que faça agora o gesto referido.
E quem, de entre os leitores, teve a melhor noite de sexo da sua vida com alguém que não amava, que acene agora. (Pronto, provavelmente sou apenas eu o insensivel...)
Sim, mais uma vez eu falo de mim. Não acho justo falar pelos outros, quando não estou dentro deles para saber o que pensam. (E sinceramente, já é dificil perceber-me a mim mesmo neste tubilhão de sentimentos contraditórios e pensamentos sem nexo, não quero fazer a experiencia de tentar perceber outros quando por vezes tenho a sensação que não me percebo a mim mesmo.)
Mas estou a desviar-me do assunto. Sim, eu acredito que os sentimentos melhoram a relação. Melhoram antes e depois. Não durante. Desculpem a minha franqueza, talvez seja por ser gajo, ou talvez por ter uma costela duvidosa, ou apenas por ser eu, mas durante...?
Há mil e uma sensações para absorver, para experimentar. Dois corpos diferentes em união... (já nem menciono sexo entre pessoas do mesmo sexo, porque provavelmente nenhum dos leitores terá a experiencia para perceber a beleza e a magia de sensações que se pode criar ao tocar um corpo que responde aos mesmos estimulos que o nosso.) Tudo durante a relação é demasiado complexo para se absorver apenas de uma vez, demasiado poderoso para ser contido pela razão, deturpado pelas palavras. Enfim... acho que perceberam a ideia...
A minha simples questão (sim, eu escrevi um testamento para perguntar apenas uma coisa, e ainda por cima algo que já havia sido mencionado.) é a seguinte:
Porquê pensar, racionalizar, complicar, estudar, misturar filosofias e teorias e futilidades racionais a algo que é tão simples, mas ao mesmo tempo tão belo e poderoso e fantastico como o sexo?

Pessoas complicadas pah...

3 comentários:

Cookie disse...

Não digo nada sobre este assunto.
(lol)
podias era ter feito um resumo.

Falas falas falas falas e nao dizes nada.
Faz qualquer coisinha util pah.

=P

Beijo*

ah! e nao sei se ja disse que te adoro hoje.. (esta memoria) lol
Adoro-te =)*

Excelsior disse...

Hummmm....

Caro Drakallis... Chainer...

...Poderei a isso responder que...

...Não concordo que sexo seja uma necessidade (nunca vi ninguém morrer de falta de sexo... Pena... Era ver o clero a cair que nem tordos...)

(Desculpem a piada simultâneamente ingénua e "porca".)

...Já de fome, sei que se morre, e de prisão de ventre... Bom, são cá umas dores... :D

Tudo isto só para dizer, na linha de uma das minhas máximas... "A beleza das coisas simples..."

...Sexo, por si só, nada tem de complicado, e tudo tem para ser maravilhoso... Mas não me livro da sensação de ser algo vazio, para se viver por si só, apenas em função de...

...e sexo com sentimento... carinho, ternura, afecto, empatia, altruísmo até... com amor, enfim... é o mais próximo que conheço de "tocar o paraíso"...

Mas sim... para quê pensar, teorizar, e isso tudo, e simplesmente... não apenas sentir...?

Japonesa disse...

ele há de tudo... mas que já complicadinhos há... e são tantos e tantas pah!

Bjo. tem uma boa estadia aí pelos alentejos e tal e coisa eheheheh