terça-feira, junho 19, 2007

Caríssimos amigos e amigas,

Reparei que sou a 13ª a entrar, espero que não me olhem com superstição, sobretudo a Nesa que teve a simpática ideia de me convidar!

Nesa, para ti o meu sincero agradecimento, um beijinho grande para ti e, claro, também para todos estes meus ilustres amigos e amigas, uns já de longa data por estas andanças do mundo virtual.

Devo dizer que gostei imenso de ler os vossos textos, os meus parabéns! Quanto ao tema, já agora gostava de deixar aqui algumas ideias.
Pois é, sexo, algo tão simples e ao mesmo tempo tão complicado, tratado de forma tão corriqueira na sala de chat como se fosse um copo de água ali à disposição. Mas para dar uma ideia de como encaro o assunto prefiro contar uma história baseada em factos reais.

Há três semanas atrás um cavalheiro já maduro, 47 anos, revelou-me que já me conhecia há mais de dois anos do Salão Nobre (como eu baptizei a sala Bla) e que nunca me tinha esquecido porque aprecia a qualidade. Até aqui tudo bem, até dei pulinhos de contente na cadeira. Confesso que nem me recordo de tal pessoa e isto porque, segundo me disse, quando nos conhecemos tivemos um desaguisado qualquer e não houve ponto cruz que remendasse o rasgão. Quis o acaso que nos voltássemos a encontrar e realmente durante uns dias trocámos um diálogo deveras interessante. E como o cavalheiro vinha ao Algarve propôs-me um encontro, só que eu já tinha outros compromissos e tive de recusar, para outra altura seria.

Conversa daqui, conversa dali, chegou o dito cujo ao ponto crucial, o desenvolvimento do nosso iminente tête-à-tête a marcar em tempo oportuno, o programa ficaria a meu cargo. Depois de lhe expor o programa das festas quis o cavalheiro saber onde iria dormir, insinuando descaradamente que o lógico seria... na minha cama! Não é que eu ache um pecado, que fosse algo do outro mundo, só não encaro o sexo desta forma, conhecer alguém num dia e zás, cama e kamasutra com ele! Já sei, já sei, estão para aí a dizer que se eu estivesse com o Clooney que não aproveitava! Ora bem, em toda a regra há a excepção e sendo o gorgeous Georgie um cidadão do mundo só se eu fosse mesmo muito burra é que não lhe punha as mãos em cima, mas isto é o George Clooney e não um português aqui mesmo à mão de semear, balha-me Deus carago!

Pois o super cavalheiro lá continuou a encantar-me e a cantar a inevitável, previsível e déjà-vu, Canção do Bandido rematando com um "Gosto de si, Maria, quero conhecê-la... ponto!". Digam lá se não nos derretemos todas? Mas agora vem o melhor da festa... é que depois de tanta "qualidade", de tantas "Senhoras" e por aí fora, o encantador de kakaus, Marias e afins, fugiu para parte incerta e nunca mais foi visto. Não vou dar alvíssaras porque os homens são como as cerejas e eu não estou desesperada. É que se quiser uma queca (para além da keka de las siete com o meu querido mano Portwine, em que praticamos um incesto isento de pecado) arranjo-a num abrir e fechar de olhos, seja na SantaNet.com ou nos bares que frequento no deserto marroquino, "camelos" é o que não falta.

Um destes dias vou colocar aqui um texto que tenho no meu blog, acerca dos homens e da canção do bandido. Por agora vou concluir com o seguinte:

Sei muito bem que não há Contos de Fadas... só Contos de Fodas.

6 comentários:

Cookie disse...

BEM VINDA KAKAUUUUUUUUUUUUU

Beijinho =)

***

Anónimo disse...

bem vinda kakauzinha...

a propósito, não tens uma camita a mais? preciso de ir visitar a xuzinha!

qq coisa manda sms.

ummm

Excelsior disse...

...e a canção pode ser cantada por ambos os sexos...

:)

(Pena eu ter voz de cana rachada) :>

Seja muito bem-vinda... Valha o meu (marginal?) "bem-vinda" o que valer. :)

Japonesa disse...

kakauzinha doce, benvinda :-)

estou desejosa de começar a ler as tuas histórias deliciosas. sei que vou rir bastante da forma divertida como encaras as coisas.

ainda bem que aceitaste. espero estarmos todos à altura para te acarinharmos como tanto mereces, como tu sempre fizeste com todos (em particular, comigo).

nunca esquecerei a forma como me recebeste nos meus primeiros dias do chat. como me acarinhaste e me abriste a porta para entrar, fazendo-me imediatamente sentir "uma da familia". espero jamais cometer uma imprudência que me faça perder um lugar que me foi espontânea e delicadamente oferecido junto de ti. sim, porque de facto te considero uma pessoa muito de acordo com a minha forma de ser e de estar. para além disso, mto fashion, mto in, mto revistas vip... e esse bom gosto a que chamo "toque chanel em sahari e xanatas" que tu tens é de um requinte que aprecio mto (só pessoas como nós entendem estes pormenores) ehehehehehe.
um beijo com sabor a tâmaras da Argélia e beberagens com travo a anïs e canela :-)

WildMindMan disse...

kakauzinha linda :))*******

Muito bem vinda :))******

Só um pequeno reparo:

Provavelmente se encontrasses o Cloonie no Salão Nobre e não soubesses que era ele ... terias uma decepção (que é isso de andar a dizer mal dos portugueses? lol)

É bom ler-te aqui :))

consciente disse...

Não estou para fazer grandes discursos como de resto é habitual. Melhores que grandes discursos muitas vezes são palavras simples, mas que nos tocam muito mais fundo, muitos beijinhos para ti e bem-vinda.